Na volta da maratona de Chicago – após ter sido cancelada, ano passado, em função da pandemia de covid – Quénia e Etiópia venceram as provas feminina e masculina.

A queniana Ruth Chepngetich e o etíope Seifu Tura foram os vencedores. Chicago integra o circuito das seis principais maratonas, ao lado de Tóquio, Boston (que será disputada nesta segunda-feira), Londres, Berlim e Nova York.

Tura venceu com tempo de 2h06min12s, com vantagem de 23 segundos para o americano Galen Rupp. Em terceiro, o queniano Erica Kiptanui. O etíope vencedor não competiu nos Jogos Olímpicos de Tóquio – não conseguiu classificação entre os três melhores de seu país. Nas Olimpíadas, o ouro foi para o fenômeno queniano Eliud Kipchoge.

Ruth Chepngetich venceu em 2h22min31s, uma diferença de 1min49s em relação à segunda colocada, a americana Emma Bates. Na terceira posição, outra atleta dos Estados Unidos, Sara Hall. Ruth competiu nas Olimpíadas de Tóquio, mas abandonou a prova no quilômetro 35. Peres Jepchirchir, também queniana, venceu a prova olímpica da maratona, disputada em Sapporo.

A maratona de Chicago, neste domingo, reuniu 35 mil corredores, que precisaram estar com a vacinação completa ou apresentar teste negativo para covid feito 72 horas antes da largada. Chicago foi a terceira maratona retomada na pandemia, após Berlim, em 26 de setembro, e Londres, em 3 de outubro. Nesta segunda-feira, será a vez da disputa em Boston. A de Nova York será em 7 de novembro enquanto a de Tóquio, em 6 de março de 2022.

fonte: https://ge.globo.com/