Quase uma década depois, qual foi a evolução das bands da Xiaomi?

Há quem aproveite as férias de Verão para continuar a exercitar-se, mesmo a um ritmo mais lento que o habitual, com as bands (e os watches) a serem muitas vezes os companheiros de treino e os motivadores para que os utilizadores consigam atingir os seus objetivos.

A Xiaomi conta com quase 10 anos de história em smartbands a partir do momento em que lançou a Xiaomi Mi Band em julho de 2014. Na altura, a grande aposta passou pela autonomia da bateria (até 30 dias de autonomia em standby) e funcionalidades orientadas para a saúde. Já contava com resistência à água, além da conectividade com a app Mi Fit para um acesso a mais informações e monitorização. Com cerca de 9 mm de espessura e 36 mm de comprimento, a Xiaomi Mi Band apresentava ainda uma bracelete hipoalergénica, propriedades anti-UV e antimicrobianas, sendo a primeira de uma história de verdadeiro sucesso para a marca.

Hoje, e olhando apenas para o mercado português, a Xiaomi disponibiliza a Redmi Smart Band 2 (PVPR 29,99€). É a opção “amiga da carteira” com um ecrã 1.47″ TFT, 30 modos desportivos, autonomia de até 14 dias, resistência à água até 50 metros e um design ultrafino (9,99mm) e leve (14,9g). 

Publicidade

Já a Xiaomi Smart Band 7 (PVPR 39,99€) apresenta um ecrã 1.62″ AMOLED, mais de 110 modos de desporto com registo das calorias queimadas e duração do treino, alertas relacionados com o nível de oxigénio no sangue, monitorização dos padrões de sono e das alterações do ritmo cardíaco, entre muitas outras características técnicas. 

Por fim, a Xiaomi Smart Band 7 Pro (PVPR 74,99€), como o nome revela, aposta na evolução do modelo anterior a começar pelo facto de apresentar um ecrã retangular grande (1.64″ AMOLED) onde, para além dos mais de 100 modos desportivos, conta com 14 modos de treino especializados. A versão Pro oferece localização por satélite e controlo de movimentos ao suportar os sistemas BeiDou, GPS, GLONASS, Galileo e QZSS. Suporta ainda a sincronização de dados com o Strava e o Apple Health.

Uma evolução notória neste tipo de wearables num mercado altamente competitivo e onde a Xiaomi tem vindo a disponibilizar dispositivos com um design atual e funções de ponta a preços que chamam a atenção dos consumidores e utilizadores.

Sobre a Xiaomi Corporation

A Xiaomi Corporation foi fundada em abril de 2010 e cotada na Bolsa de Hong Kong a 9 de julho de 2018 (1810.HK). A Xiaomi é uma empresa de eletrónica de consumo e de fabrico inteligente com smartphones e hardware ligados através de uma plataforma IoT no seu núcleo.

Abraçando a nossa visão de “Ser amiga dos utilizadores e a empresa mais cool nos seus corações”, a Xiaomi persegue continuamente a inovação, uma experiência de utilizador de alta qualidade e eficiência operacional. A empresa constrói incessantemente produtos incríveis com preços honestos, para permitir que todas as pessoas no mundo possam desfrutar de uma vida melhor através de tecnologia inovadora.

A Xiaomi é uma das empresas líderes mundiais em smartphones. De acordo com a Canalys, a quota de mercado da empresa em termos de envios de smartphones ficou no 3.º lugar a nível global em 2022. Em dezembro de 2022, existiam aproximadamente 585 milhões de utilizadores mensais ativos da MIUI a nível mundial. A empresa também estabeleceu a plataforma líder mundial de consumo AIoT (AI+IoT), com 589 milhões de dispositivos inteligentes ligados a 31 de dezembro de 2022, excluindo smartphones, tablets e computadores portáteis. Os produtos Xiaomi estão presentes em mais de 100 países e regiões em todo o mundo. Em agosto de 2022, a empresa foi incluída na lista Fortune Global 500 pela quarta vez, classificando-se no 266.º lugar, subindo 72 posições face a 2021.

A Xiaomi é uma constituinte do Índice Hang Seng, Índice Hang Seng China Enterprises, Índice Hang Seng TECH e Índice Hang Seng China 50.

Para mais informações sobre Xiaomi como empresa, por favor aceda a https://www.mi.com/global/discover/newsroom

Leave a Reply