Se participou de uma corrida de corrida, ou pelo menos viu uma partida, deve ter notado alguns corredores fazendo movimentos de Superman enquanto tentam levantar vôo, com um braço estendido em direção ao céu, esperando para deixar para trás.

Na verdade, mesmo que esse gesto fosse bom o suficiente para voar (ou correr mais rápido), aquele braço erguido para o céu serve para outra coisa, na mente do corredor: permitir que o dispositivo GPS capte melhor o sinal.

Já vou-te dizer então vamos desmontar a teoria: não adianta mantê-lo levantado ou próximo ao corpo não altera a capacidade de receção do sinal.

Em vez disso, há, é claro, algo que pode realmente fazer se quiser aproveitar ao máximo o seu dispositivo e obter um caminho que seja o mais fiel possível à rota. Em primeiro lugar, há uma coisa importante a dizer: normalmente nos referimos aos nossos Garmins ou Suuntos com o termo “relógios (GPS)”, mas agora seria mais correto chamá-los de “relógios com sistema de rastreamento”, porque eles não usam mais apenas GPS (Sistema de Posicionamento Global) para localizar a localização e registar a rota.

Na verdade, tanto o sistema GPS original (americano) como o sistema mais recentes Galileo (europeu) e GLONASS estão disponíveis nos dispositivos mais recentes.

QUAL É O MELHOR?
Esta pergunta valeria a definição clássica de “pergunta de um milhão de euros”, porque, de fato, é muito difícil de responder. No papel, os sistemas GPS e Galileo são os que garantem a maior precisão (menos de meio metro para o sistema GPS, da ordem de dez centímetros para o Galileo, segundo o que é declarado pela Agência Europeia de Navegação por Satélite), enquanto o sistema GLONASS seria o de menor desempenho, sobretudo devido às órbitas da constelação de satélites utilizadas, projetadas para cobrir melhor o território russo e com menos precisão os demais países.

A realidade, porém, é que todos enfrentam os mesmos problemas e apenas em casos muito particulares um prevalece claramente sobre os outros. A presença de edifícios, de árvores altas ou nuvens espessas pode reduzir a precisão do sinal, mas o dispositivo que usa também é importante, porque uma boa receção não pode ser separada de um chipset capaz de conectar um grande número de satélites.

Fabricantes de relógios como a Garmin, nos aparelhos mais recentes, inseriram processadores capazes de usar todos os sistemas, de forma a ter um sinal estável mesmo num ambiente urbano ou numa floresta.

TUDO CLARO ATÉ AGORA, MAS EM DINHEIRO?
O que posso aconselhar – que vem dos meus testes pessoais e não dos protocolos oficiais – para obter dados mais precisos é a associação do GPS a um dos outros dois sistemas, justamente pelos fatores que vimos acima.

Num dispositivo Garmin, o padrão é o emparelhamento GPS + GLONASS , no entanto, cada um de nós, dependendo de onde for executado, precisará fazer alguns testes antes de encontrar a combinação certa.

Nos relógios desportivos Garmin, as configurações de mudança do sistema são normalmente encontradas em Menu – Aplicativo – Execução – Configurações de corrida ou em Menu – Configurações – Sistema , dependendo do modelo que possui.

Para os testes que consegui realizar com diferentes dispositivos em rotas com distância conhecida, a melhor solução em ambiente urbano e com passagem mista entre edifícios e áreas ao ar livre era, na verdade, aquela predefinida com a associação GPS + GLONASS, que tinha as diferenças de distância mais curtas do que a combinação GPS + Galileo e a (solução) somente GPS (também vimos isso quando falamos sobre o Garmin Forerunner 245)

Um resultado ligeiramente diferente, por outro lado, para percursos completamente ao ar livre, nos quais não encontrei diferenças entre a associação GPS + GLONASS e GPS + Galileo, ambas sempre muito constantes na medição e com desvios de alguns metros entre um treino e outro na mesma rota, comparados em dias diferentes. Além disso, ao contrário dos testes realizados num ambiente urbano misto, os testes realizados na rota ao ar livre também incluíram dias chuvosos e céu nublado, mas nem o GPS + GLONASS, nem o sistema GPS + Galileo falharam no registo, distâncias e rotas. Sempre permaneceu constante.

 

A partir desses testes então (que são pessoais, mas com um número bastante elevado de corridas), uma indicação geral poderia ser esta: se o seu dispositivo já está configurado para GPS + GLONASS, faça alguns testes numa rota para a qual sabe exatamente a distância e avaliar a diferença com o que foi registado. Se houver um desvio considerável, tente mudar a associação com GPS + Galileo e veja se há uma melhora ou não.

TWO SMALL PLUS
Primeiro. Os dispositivos Garmin permitem que registe dados não apenas usando sistemas diferentes, mas também de maneiras diferentes. Refiro-me, em particular, à frequência de atualização da gravação de posição, que é ativada a partir do menu Gravação de Dados e permite escolher entre a Gravação Inteligente, que economiza espaço de armazenamento, mas que poderia ser menos precisa no registo do trilho, em como muito é baseado em mudanças de direção, velocidade, inclinação etc. que o dispositivo detecta, ou gravando a cada segundo, que, como o próprio nome indica, insere um dado a cada segundo, permitindo uma deteção mais precisa do caminho e das distâncias. Os pontos fortes do primeiro modo são a economia de energia e memória do dispositivo, o ponto forte do segundo é a precisão dos dados salvos. Cabe a você escolher o que melhor se adapta às suas necessidades.

Segundo. Isso é coisa de nerd, eu sei, então, se não é do tipo que se preocupa muito com essas coisas, pule direto para o adeus. Existe um site muito conveniente para quem deseja saber exatamente quantos satélites dos vários sistemas estarão disponíveis para um determinado local num determinado momento. Chama-se gnssplanning.com e permite-lhe indicar a sua localização (ou qualquer localização no mundo) e ver como será a cobertura do satélite a todo o momento. Existem sistema GPS, GLONASS e Galileo, mas também o chinês BeiDou e o japonês QZSS. Ele fornece uma série de gráficos e mapas e é atualizado constantemente. Encontre aqui .

Espero ter esclarecido algumas dúvidas sobre as configurações do GPS a serem utilizadas para registar melhor as suas corridas! Vejo você em breve!