Mesmo para um amante da corrida, o treino de atletismo pode, em qualquer dia, tornar-se monótono e mesmo fastidioso. As sessões de footing (corrida lenta em percursos agradáveis), que constituem uma parte importante da preparação de todo o atleta, pecam, por vezes, pela sua falta de atractivo e diversidade.

Girar durante uma hora à volta de um estádio, treinar sempre no mesmo percurso, passar pela milésima vez pelo eterno circuito ou virar sempre nas mesmas esquinas das ruas do bairro, enfim, tudo isto pode entravar a motivação dos entusiastas mais apaixonados.

Da mesma forma, quando se treina sozinho, parece que o tempo demora mais a passar do que se percorrermos o mesmo circuito em animada conversa de grupo.

 O problema da monotonia no treino abrange não só os atletas ditos populares, mas igualmente, todo o vasto leque de corredores, incluindo, naturalmente, os da tão falada alta competição. Assim, e a título de alerta vejamos as seis principais «regras filosóficas)) que devem estar sempre presentes num esquema de preparação de qualquer corredor, independentemente da sua idade, sexo ou qualidades físicas

 

 

1-VARIAR O PERCURSO TANTO QUANTO Possível

Esta será, talvez, a regra mais importante já que é a única necessária – indispensável mesmo a ter em conta e que irá influenciar, sem qualquer dúvida, todo o seu treino. Um trajecto diferente em cada dia obriga-lo-á a descobrir a sua região, mantendo o seu estado de atenção em alerta e solicitando, de forma harmoniosa e diversificada, o seu andamento e a sua passada.

Muitos estarão a pensar que isto só será viável em zonas abertas e vastas. Porém, a prática ensina-nos que mesmo num espaço restrito, um bosque, um pequeno parque, mesmo no seu bairro, é sempre possível alterar diariamente o seu itinerário, num misto de aventura e de prazer na busca de um percurso novo e um pouco ao acaso…

2- ESCOLHA UM PERCURSO AGRADÁVEL

Tenha em conta a sua maneira de ser, a sua personalidade e aspirações. Certamente que alguns de vós escolherão as ruas animadas com muitos transeuntes, talvez numa estranha motivação psicológica de serem vistos e admirados pelas pessoas, que poderão ver a vossa passada e o vosso «estilo», também observados por vós através das vitrinas das lojas citadinas. Outros, apaixonados como nós pela natureza, procurarão macios carreiros e os cheiros das plantas em cada passada…

3 – DESCUBRA OS SEUS SENTIDOS

Procure colocar os sentidos em alerta. Quando se corre nas ruas, existem numerosas ocasiões de distração como algo quase inesperado. Aprenderá a «descobria os pássaros à sua volta, os mil e um sons esquecidos das ruas’e da floresta, enfim, mesmo a correr, podemos estar a sentir o nosso corpo e desperto ara o «novo mundo» que.sempre nos cercou. Aprender a sentir, ou melhor; reaprender a descobrir os nossos sentidos é algo de novo e com que poucos atletas se preocupam. O atleta só o é quando aprende a descobrir o que o cerca…

4 – NÃO BASTA SÓ MEXER AS PERNAS

Mexa as pernas e também o cérebro. Para quem treina regularmente, a corrida é o momento privilegiado do dia que nos permite ter tempo de reflexão, maturação do projeto antes da sua realização e, enfim, a descoberta de’ si próprio a cada passada. . Um bom treino de corrida, como certamente já aprendeu, não é benéfico apenas para as pernas!

5-SEJA PRUDENTE.

Aprenda a correr no andamento que esteja dentro das suas possibilidades de momento. Este principio, tão fácil de pôr em prática, é invariavelmente esquecido pela maioria dos corredores. Dê tempo áo tempo e ao correr no andamento que a sua condição física lhe permite que defendas o seu próprio corpo. A forma é feita de altos e baixos e a prudência no esforço é algo a não esquecer

6-SABER PARAR

Aperceber-se do momento exacto em que se deve parar, em que se deve alterar esforços intensos ou fracos, talvez seja o que há de mais difícil para quem treina Atletismo ..

 

Corra com prazer não por obrigação.

 

1 COMENTÁRIO

Comments are closed.