O etíope Guye Adola até roubou o pretagnismo ao compatriota Kenenisa Bekele na Maratona de Berlim. Mesmo entre as mulheres, a favorita não vence.

Adola de 30 anos venceu com 2:05:45  à frente do surpreendentemente forte queniano Bethwel Yegon (2:06:14) e Bekele de 39 anos (2:06:47). O queniano Kipchoge bateu o tempo recorde mundial de 2:01:39 horas na capital há três anos. A melhor época do ano para o queniano Titus Ekiru, que correu 2h02m57s em Milão em maio, também permaneceu.

Também na categoria feminina, a favorita não venceu. A etíope Gotytom Gebreslase prevaleceu em 2:20:09  à frente da sua compatriota Hiwot Gebrekidan (2:21:23). A terceira foi Helen Tola, do Quénia (2:23:05).

Em 2020, a Maratona de Berlim foi vítima da pandemia. Este ano, a corrida teria marcado o início de um retorno ao normal para as principais corridas de rua. Como a primeira das seis corridas de 42,195 quilómetros mais importantes do mundo, a Maratona de Berlim permitiu um número significativo de participantes novamente após o início da pandemia. Cerca de 25.000 corredores de 139 nações começaram.