A corrida em trilhos é uma atividade muito acessível, mas praticá-la de maneira segura e divertida requer o mínimo de bom senso.

A corrida em montanha é um dos desportos emergentes em Portugal e há cada vez mais corredores que, depois de atingirem os objetivos de corrida em ambientes urbanos, aventuram-se em desafios nas montanhas. Se este for o teu caso, vê estas 7 dicas que te vão ajudar a começar bem nesta modalidade incrível.

1. Não queimes etapas antes do tempo

Mesmo se fores um atleta experiente em disciplinas de resistência, faz o teu período de adaptação à montanha. Começa por fazer testes curtos, de 10 a 12 km, não muito técnicos ou com grandes declives. Depois, tenta uma meia maratona e, finalmente, quando tiveres pelo menos uma bagagem de 10 a 12 meses nas montanhas, aventura-te na maratona (se quiseres, óbvio).

2. Treinar no terreno pelo menos duas vezes por mês

Correr em estradas íngremes, cheias de pedras e raízes, é um dos grandes desafios dos iniciados em trilhos. Para ganhar destreza e habilidade, tenta treinar, pelo menos, uma vez a cada quinze dias nas áreas técnicas. Também é importante treinar a propriocepção, o que nos ajuda a fortalecer os tornozelos e músculos envolvidos em apoios instáveis. Se treinas no ginásio, aposta em exercícios diferentes que promovam a instabilidade.
Em subidas íngremes, às vezes é melhor andar do que correr
Em subidas íngremes, às vezes é melhor andar do que correr

3. Esquece o ritmo por km

Se és um corredor urbano, deves presumir, desde o primeiro dia, que na pista em terreno os ritmos por km não existem. A irregularidade condiciona completamente a velocidade com que corremos. Quão fácil será correr 1 km em 4 min numa pista que tanto desce como sobe durante10 minutos numa encosta íngreme. Dito isto: esquece os tempos e todos os cálculos que já fizeste em maratonas urbanas.

4. Familiariza-te com o termo CA-CO

São as iniciais da corrida a pé, porque é isso que vais fazer quando fores a uma montanha. Exceto alguns privilegiados, todos os corredores amadores serão forçados a andar em algumas seções nas quais a inclinação é muito exigente. De facto, caminhar é normalmente mais benéfico do que correr, especialmente em encostas íngremes que não nos permitem avançar a um bom ritmo. Nestes casos, escolhe andar rápido. Vais poupar energia e não perdes muito tempo.

5. Não poupes no momento de comprares os ténis

Quando fores comprar os ténis de corrida em trilhos, não te deixes levar pela estética ou pelo preço. Escolhe uns sapatos com os quais te sintas confortável. Não importa se é mais pesado do que gostarias. E em caso de dúvida entre dois tamanhos, escolhe o tamanho maior.
O trilho, mais do que um desporto, é um prazer sensorial
O trilho, mais do que um desporto, é um prazer sensorial

6. Segurança em primeiro lugar

Habitua-te a informar alguém próximo da rota que vais percorrer e o tempo que calculas estar fora. Vê a previsão do tempo antes de saíres de casa. Não procures novas rotas à noite e não te aventures se te sentires mais cansado do que o normal. E, acima de tudo, enche a mochila com comida e bebida suficientes para o treino, para além de alguns acessórios básicos de segurança: lanterna, apito, manta térmica, telemóvel, etc.

7. Desfruta das paisagens

Parece óbvio, sim, mas queremos dizer que, se precisares faz uma pausa no final de uma longa encosta e demora alguns minutos. Levanta a cabeça e observa a natureza. Sem dúvida, uma das atrações da corrida em trilhos é o número de sítios que vais conhecendo.